terça-feira, 16 de setembro de 2014

Sufoco

Hoje me perguntaram de você. Não soube responder. Não sei mais o que acontece em sua vida. 
Ouvir seu nome me trouxe várias lembranças. Umas boas, outras ruins. As mesmas que eu venho me esforçando para não lembrar. 
Na simples menção do seu nome percebi que tinha falhado. Eu ainda não te esqueci por completo. Não esqueci do seu cheiro. Do seu abraço. Do seu gosto em minha boca. 
Queria poder não sentir isso. Queria poder arrancar todo desejo. Toda vontade. Queria poder parar de fingir que está tudo bem.
O coração apertou e doeu. O choro ficou entalado na garganta. A saudade sufocada no peito.


domingo, 27 de julho de 2014

Cinquentão

  Hoje eu acordei e tive vontade de pular em cima de você como nos velhos tempos. Aí a palavra tempo ficou martelando na minha cabeça. Me dei conta que não era o tempo que estava velho, mas a gente. Eu já não sou aquela menina de cabelo armado que corria e pulava em cima de um magrelo bigodudo desejando ´parabéns!´. E tudo era gritaria, e beijinhos, e olhos remelentos felizes.
  Então fui trabalhar meio saudosista por causa dessas lembranças. A memória rebobinou bons momentos que vivemos, como à época em que eu não tinha dinheiro e te dava cartões confeccionados com amor e carinho de presente. Era tudo muito especial. Lembrei então que você está fazendo 50 anos, ou seja, meio século já vivido. Que privilégio! Para uma pessoa que tem o discurso que morrerá todo fim de ano, que não passará deste ou daquele, e olha só, meio século já foi. Fazer 50 deve ser especial, aliás, fazer aniversário é especial. É saber que mais um ciclo foi cumprido e vivido, é esperar por mais.
  O tempo passou. Passou a hora também enquanto eu trabalhava, e depois de ficar mergulhada nas lembranças, voltei pra casa para finalmente te abraçar. Cheguei, te abracei, te beijei desejando que você ainda complete mais alguns aniversários, que mais momentos especiais sejam vividos, que os atritos e discussões sejam necessários para crescimento. Que o tempo não seja um peso, mas uma dádiva.
Parabéns!

Ao meu pai, pelos 50 anos conquistados no dia 26.07.2014.
Te amo.

Domingueira




Vem
Tem aquele vinho guardado
Uma caixa de alfajors Havanna
Tem malemolência espreguiçada no sofá
A sinestesia está na ponta dos dedos
Falta você aqui, pra eu tocar...

sábado, 19 de julho de 2014

Havia um menino

"Havia um menino,
que tinha um chapéu
para pôr na cabeça
por causa do sol.

Em vez de um gatinho
tinha um caracol.
Tinha um caracol
dentro de um chapéu;
fazia-lhe cócegas
no alto da cabeça.

Por isso ele andava
depressa, depressa
pra ver se chegava
a casa e tirava
o tal caracol
do chapéu, saindo
de lá e caindo
o tal caracol.

Mas era, afinal,
impossível tal,
nem fazia mal
nem vê-lo, nem tê-lo:
porque o caracol
era do cabelo.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Desvencilhar





"... Não que a decisão fosse tão clara, nem que o caminho fosse tão óbvio, era uma questão de tempo talvez. A mesma fonte que gera o prazer também pode gerar o dissabor. Apesar dos instintos que o forçariam a continuar, ele sabia o que deveria ser feito. Parar por aqui - disse a si mesmo. Assim, deixou que os novos hábitos e que a importância de uma nova história se encarregassem de levar para longe o vício e os desejos repentinos."

Do Poeta Brunno Soares


Essencial[mente]



É essencial
Que você seja sincero
Que tenha certeza dos seus sentimentos
Que tenha coragem de enfrentar o desconhecido
Que não tenha medo da opinião alheia
Que respeite o próximo
Que não precise morder a língua para não errar o nome
Que saiba que quem está ao seu lado é essencial para te fazer feliz
Ou não...

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Dois pesos, uma medida



Colocou na balança
Ela pendeu de um lado
Ele escolheu o que aos seus olhos parecia fácil
E agora todo o sentimento pesava
Apenas do lado
Daquele que não fora escolhido


domingo, 25 de maio de 2014

Fênix







Cansou-se das histórias inventadas
Estava saturada de desculpas esfarrapadas
Perdia um pouco de dignidade a cada chance oferecida
Então lavou-se com seu orgulho
Ergueu a cabeça
E ressurgiu

domingo, 16 de março de 2014

Palavra Pres[ente] 3





" Nossa história
 
Da insanidade semelhante
aos anos que nos afastam,
do meu pouco falar
ao seu muito viver,
do meu muito olhar
para contigo aprender.

Bons tempos de provocar suas risadas
e perguntar: "Já vai chorar?"
nisso tenho prazer.
Pelas caronas que me pediu
e as que ofereci,
simples assim foi como te conheci.

Nossa história é assim:
com rimas e 'desrimas',
semelhanças e diferenças,
'gordices' e gorduras,
sem filtro nas piadas.

Ps.: Saudade do tempo de vagabundagem contigo... Parabéns e te amo Cotchôca"

Do Poeta Calado em 11.03.14

Palavra Pres[ente] 2






"Nas palavras não cabem toda a expansão do teu sorriso, nem as curvas dos cachos, não cabe a força do caráter, nem o tamanho da esperança. Viver é não caber nos padrões. Você é única e perfeita em si mesma.
Eu te amo. Feliz aniversário."

Chegou em forma de sms, do Cronista Afetuoso em 11.03.14

Palavra Pres[ente] 1



"E eu queria dizer um milhão de coisas, mas todas elas seriam desnecessárias e pouco diferentes do habitual... Então...
Eu espero realmente que você encontre o que procura, que seja feliz, tenha paz, sossego, livros e café. Que seja sempre livre das amarras de toda mentalidade tacanha e arcaica, mas não seja liberal demais. Que sorria sempre, porque você merece muito, e que não se prenda ao silêncio - de vez em quando ele é bom, mas de vez quando deixa a gente amarga.
Não sei se as pessoas que lerem isso vão entender muito bem as minhas palavras, mas eu sei que você sabe ler os meus devaneios. ^^)
Seje filiz, se puder!"


Por Marie Clarie, 11.03.14

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Varal

Eu chorei até lavar a alma. Chorei. 
A alma foi lavada na vã esperança de que todos os sentimentos ruins fossem levados correnteza abaixo. Ledo engano meu. A alma foi lavada, mas os sentimentos ainda estão lá, prontos para serem enfrentados.





domingo, 2 de fevereiro de 2014

Mitad

50 por 50
Metade por metade
Emoção versus razão
Dançar a dança das borboletas 
ou andar com os pés no chão?