segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Eu vou...



"Eu vou gostando, eu vou cuidando, eu vou desculpando, eu vou superando, eu vou compreendendo, eu vou relevando, eu vou... e vou indo...
Sinto que toda aquela carga de angústia e inquietação que eu tinha está-se indo.
Quero muita calma daqui pra frente".  

[Lia Araújo definindo como me sinto.]

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Alforriada



 "Sempre se prometeu não mais chorar, não mais sofrer, não mais prender-se a sonhos coloridos e castelos de cartas - solúveis, sem raízes. Entretanto, ao deixar o coração assim, tão aberto, tão livre, não se deu conta do que viria a seguir: uma espécie de vício, um apego, uma prisão, uma paixão, quem sabe um amor.
  E agora que ela finalmente é livre novamente, que pagou sua pena, que ganhou a sua sonhada alforria, ela se pega a olhar pra trás e perguntar por quê se deixou levar por olhos e palavras doces. Ela não sabe a resposta. Sabe apenas que esse coração amargurou a perda do 'se': se fosse assim, se fosse deste jeito, se tivessem se amado, se fosse o tempo certo...
  Só resta a ela catar os pedaços dela mesma que restaram dessa... relação sem nome, transformá-la na mais bonita das amizades e deixar que o tempo - Um dos deuses mais lindos, como diria Caetano - a cure, quem sabe, desse vício, dessa necessidade que ela tem, e apague a lembrança dos sentidos: tato, visão, audição e principalmente, olfato e paladar. 
   Ele já fez parte do serviço. Já à libertou. O que resta para ela agora é não sentir saudade do cativeiro e acreditar no melhor que ainda virá."

   Maria Clara deu-me esse texto de presente, sem saber de nada apenas escreveu meu momento, portanto concluo que ela é um tanto advinha... 
   (blog da Mary http://aminhapessoa.wordpress.com/





quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Direito de ficar calada

     "Bianka, você está tão diferente, não vejo você gargalhando por aí, falando muito, você tá bem?!" perguntou Emília. Tô bem sim, respondi, é que ando reflexiva mesmo, calada... acho que estou ... "amadurecendo?", ela me interrompeu. Sim, isso mesmo, amadurecendo, e assim retirou a palavra que estava prestes a sair da minha boca.
       Estar calada às vezes é sinônimo de tristeza no ponto de vista de algumas pessoas, mas não para mim. Ficar calado às vezes é necessário e faz bem. No meu caso eu tenho aprendido a ficar calada, tem sido um verdadeiro e constante exercício para alguém que até pouco tempo falava pelos cotovelos. 
        Bem, ainda falo pelos cotovelos, pelo menos há amigos meus que acham isso e eu acabo concordando com eles, mas acho que eu tenho filtrado mais aquilo que tenho expressado, tendo cautela, até desistido de falar em alguns momentos. Claro que de vez em quando a gente escorrega e dá mancada, como no sábado passado que até gelei por dentro da tamanha estupidez que falei numa determinada situação, e acabei sentindo que tinha retrocedido nesse novo aprendizado. 
     O mais duro de tudo isso é você ter que provar que está tudo bem, que não está triste, que apenas não quer falar. As pessoas não dão crédito quando um extrovertido fala isso. Mas pasmem, ou não, extrovertidos cansam de fazer piada com tudo! É duro ser tachado como palhaço sabia? Sofremos uma constante pressão em relação a expectativa daqueles que aguardam pela nossa espontânea pronunciação e há ainda aqueles que se aproveitam da nossa espontaneidade descaradamente!
    Mas estava na hora disso acontecer na minha vida, de poder encontrar a seriedade. Isso não significa que nunca mais farei piadas ou serei engraçada, até porque mesmo quando falo algo sério as pessoas tendem a rir do meu jeito espontâneo de me expressar. Mas estar calada tem me feito bem. Tenho buscado solucionar meus conflitos e problemas sozinha. Não que eu não confie em ninguém, mas tem sido bom me desprender emocionalmente das pessoas, as usei muito como 'muleta' emocional, essa é a verdade e não me orgulho disso.
     Estar calada tem sido uma prova do meu amadurecimento, falo por mim, talvez no seu caso seja de outra forma. Amadurecer nem sempre é fácil, aliás, amadurecer não é fácil, mas necessário. Afeta nossa reação em determinadas situações que nos atingem, mas amadurecer silenciosamente tem sido um tanto interessante pra mim.
      Portanto eu só quero ficar na minha, absorta nos meus pensamentos, permanecer no meu silêncio, afinal de contas eu ainda tenho muito a aprender... além do direito de ficar calada...
      


quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Socializar




E só quem tem papel social
É mesmo a sociologia?
Você desempenha um pouco de cada coisa
Cada coisa que nem imagina

Você pode ser pai, mãe, tio e tia
Madrinha, agregado, sobrinho e prima
E sempre cabe mais um
Quando o negócio é da família

Estudante, vendedor, nordestino e eleitor
Amigo, cidadão, empresário e sacristão
São tantos os papéis
Cada um com sua função

Você pode estar distante
E ao mesmo tempo perto
Você pode estar perto
E ao mesmo tempo distante
Tudo vai depender
Dessa antítese constante

Papeis que nos unem e nos separam
Papeis que nos completam e nos afastam
Papeis que desempenhamos e não damos conta
Papeis que são bonzinhos
Papeis que são do contra

Biótipos e estereótipos
Tolerância e respeito
Tudo se encaixa nos papeis
Sempre há um jeito

E pra finalizar essa história comprida
E um tanto importante
Eu só queria lhe dizer
Que quanto mais você foge de um papel
Ele corre para você


A professora de Sociologia pediu-nos para criarmos algo 'cultural' usando o tema que mais nos chamou a atenção na matéria. Escrevi então esse texto com os papeis sociais, pois foi um tema que gostei muito de ter estudado. Enjoy... =)

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A partir de dentro

"...não pense que estou infeliz. Afinal, o que a felicidade e a infelicidade significam? Elas dependem muito pouco das circunstâncias e muito mais do que se passa dentro de nós!"  [Dietrich Bonhoeffer, Cartas Inspirativas]


terça-feira, 1 de novembro de 2011

[Des]cobrir




Mascare
Disfarce
E finge
Que nada te atinge 

Foge
Engole
Dissolve
Essa hipocrisia que te envolve

Chore
Clame
Sufoque
Aquilo que te esgote


Pergunte
Implore
Ore
Buscando dias melhores